Os 4 Passos para uma Palestra Eficiente

Tempo de leitura: 3 minutos

É um erro usar os truques recomendados pelos especialistas. O mais importante é mostrar-se autêntico.

Revista Época Negócios – por Marcelo Coppola

Há uma séria de regras consagradas para falar em público com sucesso. É preciso usar frases curtas, organizar as ideias de forma lógica e discorrer com paixão sobre o tema da apresentação. Não é recomendável ficar estático no palco, nem gesticular de forma exagerada. Especialistas sugerem que o palestrante mantenha uma comunicação visual mais intensa com algumas pessoas da platéia.

Você já deve ter assistido a inúmeras apresentações que obedeceram esses preceitos e que, apesar do roteiro correto, soaram como artificiais e entediaram os ouvintes. Por que é tão difícil uma pessoa mostrar-se autêntica quando expõe ideias e conceitos de uma maneira clara e segue os padrões gestuais recomendados pelos especialistas? O consultor americano Nick Morgan recorre a pesquisa do cérebro para abordar o tema em seu novo livro, Trust Me: Four Steps to Authenticity and Charisma (“Confie em mim: quatro passos para a autencidade e carisma”).

Morgan lembra que que uma pessoa transmite duas mensagens básicas durante uma apresentação. Uma com a fala, outra por meio de gestos. É necessário haver harmonia entre as duas para que a apresentação cative o público e alcance seu bjetivo. O problema é que elas estão quase sempre em desaordo, mesmo nos casos de oradores que passaram por treinamento.

Por que isso acontece? Pesquisas revelam que a comunicação corporal começa antes da verbal. Os gestos têm início assim que uma emoção desponta no cérebro, mas antes que a pessoa tenha consciência dela. Numa convesação, você reage ao interlocutor mexendo a cabeça ou as mãos antes de transformar essa reação em pensamento. Erra o orador que fala uma frase e, no mesmo instante, adota a postura sugerida pelos seus instrutores.Isso é desconhecer que os ouvintes contam  com uma habilidade natural para reconhecer a artificialidade do seu comportamento. Então, é bobagem e uma apresentação? Ao contrário, diz Morgan. O enfoque desse treinamento é que está equivocado. Ele sugere quatro passos para que uma pessoa aprenda a falar com autenticidade, respeitando o ritmo natural de sua mente e de seu corpo:

• Seja sincero.

Durante o treinamento, imagine que você está falando para alguém com quem se sente relaxado. Pode até ser sua mulher ou um amigo. Preste atenção no que você está sentindo naquele momento. É esse o estado mental adequado para criar a afinidade com sua futura audiência. Se tiver dificuldade para criar essa imagem mental, peça para alguém ajudá-lo pessoalmente.

• Conexão com o público.

Depois de descobrir como manter uma relação de sinceridade com a platéia, preocupe-se conquistar sua atenção. Imagine que você está falando com uma criança que o ignora. Não intelectualize. Faça o que acha natural para mudar essa situação, seja aumentar o tom de sua voz ou aproximar-se do ouvinte.

• Sinta paixão pelo tema.

Por que você dará essa apresentação? Qual o objetivo? Sinta a emoção de sua tarefa em cada palavra que você pronunciar no treinamento. Imagine que alguém da platéia tem o poder de estragar o seu objetivo, a não ser que você o vença com a força de seus argumentos.

• Ouça a sua platéia.

É difícil durante o treinamento, mas tente imaginar a postura dos ouvintes. Lembre-se que eles mandam mensagens corporais a todo segundo e que você tem a capacidade natural de entender o que significam. Fique atento a esses sinais e responda a eles da forma que achar mais conveniente, seja acelerando sua fala ou cortando trechos do discurso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *