Como falar bem em público

Como falar bem em público

Falar em público é uma exigência relativamente recorrente em nossa sociedade, e os indivíduos acabam tendo que passar por experiências desse tipo em diversas situações durante a vida. Seja em trabalhos na escola, apresentações de seminário, defesa de teses na faculdade ou mesmo em profissões que exigem certa exposição, o nervosismo e as dúvidas do que pode e deve ser dito em público sempre surgem na cabeça das pessoas.

É muito comum que algumas pessoas já possuam algumas habilidades naturais em se comunicar e consequentemente tenham o dom da oratória nato em si; enquanto algumas outras sofram muito quando se veem na necessidade de estar na frente de um número grande de pessoas, e precisem repassar alguma mensagem ou apresentar algo. Apesar de esses dois tipos de pessoas serem bastante comuns, é preciso destacar que o nervosismo, o esquecimento e as dificuldades em se lembrar o que é preciso ser dito são problemas recorrentes de quem não tem tanta experiência com a oratória.

Nesse contexto é que têm surgido os mais diversos cursos de oratória no país – para ajudar tanto os mais habilidosos a manter a compostura durante a fala, quanto os mais tímidos que precisam entender melhor o processo de oratória. Separamos uma lista com as principais dicas que te farão ter mais confiança na hora de falar em público, e te ajudarão a administrar melhor as falas e a mensagem a ser transmitida. Confira:

1)Preparação

A principal e mais importante dica da nossa lista é saber se preparar para falar o que deve ser falado. Parece óbvio, mas nem sempre funciona assim. Se falar sobre um assunto conhecido, de seu domínio e proximidade, para um grande público já é difícil por conta do nervosismo e do desconforto causado pelo público te assistindo, imagina quando o assunto que deve ser tratado na palestra ou exposição for de pouco conhecimento do palestrante? O processo de comunicação torna-se muito mais difícil e complicado.

A dica, portanto é sempre procurar saber o máximo possível do assunto a ser tratado. Pesquise, leia, releia, faça resumos e esquemas de memorização; tenha em mente os principais pontos, as principais nuances e o que é primordial que você conheça para informar seus ouvintes sobre aquilo que está sendo dito. Treine também o tempo de fala, e esteja preparado para falar mais do que lhe foi proposto: se deveria dar uma palestra de 20 minutos, saiba o suficiente sobre o assunto para falar por 40 minutos, com informações distintas e relevantes

Outra dica que ainda se enquadra na preparação é relativa não apenas ao conteúdo, mas à forma como este será apresentado. A ideia é tentar treinar na frente do espelho, gravar você mesmo falando, ou até convidar alguns amigos para ouvirem seu discurso e assim te ajudar a treinar a naturalidade.

2)Faça um roteiro

Quem nunca ouviu alguém dizendo que bom de oratória mesmo é aquele que consegue discursar sem nem mesmo olhar para nenhuma referência que o lembre do que precisa ser dito? Pois é. As “colinhas” de palestrantes e oradores públicos foram demonizadas por muitas pessoas ao longo dos anos, sendo tidas como símbolo de incapacidade e até mesmo como se o assunto não estivesse suficientemente na ponta da língua do palestrante.

Esse pensamento, no entanto, mostra-se bastante equivocado, já que é de conhecimento geral que a memória humana não é de grande confiança. Memorizar uma palestra ou apresentação inteira, além de ser praticamente inviável do ponto de vista prático, é pouco funcional para a qualidade da palestra em si. Isso porque esquecer alguma palavra da cadeia gigante de informações que precisam ser ditas pode ser fatal, desconcentrando o orador e acabando com a exposição de uma só vez.

A dica é não ter vergonha ou receio de preparar um roteiro simples que esboce aquilo que precisa ser dito: é só elaborar um papel, uma cartolina ou um cartão com pequenas frases, ideias e conceitos que sejam essenciais para a exposição das ideias, e a partir deles iniciar os processos de discussão, debate e ampliação dos conceitos a serem trazidos à tona. Palavras-chave, nomes importantes, datas e dados numéricos são algumas das informações que geralmente são esquecidas mais facilmente e que podem ser colocadas num roteiro básico.

3)Naturalidade e reconhecimento do público

Não ter naturalidade é o principal erro cometido por quem procura falar bem em público e não consegue. Ao discursar num evento, palestra ou apresentação, não tente imprimir em si mesmo uma identidade que não lhe pertence. Ou seja: seja você durante o processo, aja naturalmente e tente dialogar com o público através da ótica que você mesmo reconhece do ambiente.

Outra dica importante é saber com quem se está falando para haver uma troca mais sincera e uma adaptação da linguagem para determinado grupo e público que ouvirá sua mensagem. Não adianta falar para jovens com a mesma linguagem usada em reuniões de negócio em empresas multinacionais, nem falar com empresários como se fossem ouvintes da terceira idade numa palestra sobre qualidade de vida. Ter naturalidade e reconhecer o público para o qual a mensagem está sendo transmitida é essencial para um bom desempenho do orador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *