O mito da Caverna de Platão: Lições e reflexões

Tempo de leitura: 3 minutos


Esse vídeo acima é uma interessante e didática ilustração de uma passagem escrita por Platão chamado “O mito da caverna”, presente em sua obra intitulada “A República”. Ele nos faz refletir sobre diversos aspectos de nossa existência como seres racionais, sobre os nossos conceitos e preconceitos, sobre o que enxergamos e o que ignoramos, e principalmente sobre a nossa noção de verdade.

O ponto crucial da reflexão que Platão faz ao contar essa história, e que será o tema do nosso post de hoje, se baseia no seguinte: Imagine que o prisioneiro que escapou da caverna, deixando os seus amigos acorrentados na mesma, saísse e conhecesse o mundo real e, após compreender que esse tempo todo a sua concepção de realidade estava errada, voltasse e conseguisse contar aos companheiros tudo que vira. Como eles reagiriam? Eles aceitariam essa nova visão mesmo tendo enxergado apenas sombras e ouvido ruídos a vida inteira? Ou apenas o ignorariam?

Saindo da Caverna e trazendo para os dias de hoje

Atualmente, vivemos situações muito semelhantes, que muitas vezes por pressa ou mesmo por não nos darmos conta acabamos deixando passar. É como naquelas vezes em que você tem uma ideia genial, totalmente inovadora, mas que não passa pelo crivo de sua equipe ou de seu chefe porque eles têm algum receio em arriscar. Ou o contrário, quando há alguns anos alguém lhe falava que iria existir uma tecnologia inovadora que o permitiria acessar a internet com rapidez e mobilidade e você acabava olhando um pouco torto.

Os nossos medos e até mesmo o nosso comodismo por vezes nos atrapalham na hora de tentar algo novo, de se reinventar e descobrir um mundo completamente diferente fora de nossa caverna. É por isso que se destaca quem consegue se colocar a disposição para novas experiências e saber tirar o melhor proveito de cada discussão ou informação que recebe. É claro que saber filtrar o que ouvimos é essencial, mas temos que manter o foco nos detalhes para não perdermos nada que possa ser proveitoso.

Uma frase que teve uma boa repercussão na Fan Page da Methodus no Facebook foi a seguinte: “A meta de uma discussão não deveria ser a vitória ou a derrota, mas o progresso”, dita por Joseph Joubert, um escritor francês. Ela sintetiza essa ideia de que sair da caverna é uma metáfora para abrir a cabeça, no sentido de que o desenvolvimento pessoal, assim como o profissional, se dá a partir do aprendizado. Porém, para aprender, temos que estar dispostos a ouvir, a meditar sobre o assunto e principalmente a discutir e argumentar sobre ele.

Da escuridão à luz da verdade: aprendendo a liderar

Em suma, deixar a escuridão e encontrar a verdade é um processo tanto de aprendizado como de produção, pois afinal, só se aprende profundamente quando se estuda e compartilha informações a fim de debate-las e chegar a uma conclusão. E quando se atinge esse estado, você ganha confiança e autoridade no assunto, o que te permite liderar com segurança e desenvolver a arte de ser convincente, conduzir as demais pessoas em busca da verdade e do bem comum.

E é nisso que a Methodus vem trabalhando e se dedicando cada dia mais: em desenvolver as habilidades e dons de nossos alunos para que neles se despertem os espíritos do auto-conhecimento, da auto-motivação e da auto-confiança para vencerem os desafios!

1 comentário


  1. Minha maoir dificuldade talvez esteja ai”sair da caverna” as vezes td parece muito simples e facil de se compreender,mas quando se trata de nos conhecermos e bater de frente com aquilo q nos impede de progredir ,ficamos perdido ……quantos lideres existem por ai q nao conseguem administrar sua vida se quer , e como vc procurar um psicologo pra te ajudar e saber que ele esta a beira de cometer um suicidio.Acho q o maior desafio na vida e aprender a lhe dar com vc mesmo .

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *