Procrastinação, 3 Argumentos Científicos que a Justificam!

Tempo de leitura: 2 minutos

O que melhor caracteriza a procrastinação é o fato de estar diante de uma tarefa considerada difícil, intrincada ou desinteressante. E, costumeiramente, qualquer outra atividade “vira prioridade”.

Procrastinação

Pesquisas realizadas nos USA e em diversos países Europeus mostram que 20% da população são procrastinadores crônicos. Entenda as explicações científicas sobre esse hábito de “deixar para depois” e que atinge praticamente todas as áreas da sua vida.

1 . Predisposição Genética

Pessoas com tendências naturais para a impulsividade cedem mais facilmente à um novo estímulo. Ações impulsivas têm estreita relação com possibilidade de geração de prazer no curtíssimo prazo. E tendem a se afastar de coisas ou ações com potencialidade de satisfação somente no médio e longo prazo.

Não se pode simplesmente afirmar que pessoas impulsivas sejam necessariamente procrastinadoras. Mas os estudos científicos mostram que biologicamente existe estreita relação entre impaciência e o hábito de deixar para depois certas atividades tidas como não prazerosas.

2 . A Procrastinação é Prazerosa no Curto Prazo

Embora a frustração no médio e longo prazo seja certa, o prazer no curto prazo impõe-se pela presença da dopamina (uma recompensa química altamente prazerosa). Esse hormônio é gerado por não precisar conviver com aquele problema por mais alguns momentos. E por se deleitar em realizar alguma tarefa que avalia ser bem menos trabalhosa ou problemática.

A presença da dopamina cria momentaneamente a sensação de bem estar. Funciona como um mecanismo de reforço pela repetição daquela atitude. Sinapses estimuladas repetidas vezes criam as células de memória. Essa é a razão do porquê facilmente ficamos presos a certos comportamentos e sensações, que nada mais são do que hábitos.

3 . Duelo entre Córtex Pré-Frontal e Sistema Límbico

O recebimento, a análise das informações, bem como as tomadas de decisões são realizadas no Córtex Pré fontal. Esse processo é inteiramente racional e, portanto, consciente.

A baixa qualidade de foco e a tendência a agir impulsivamente criam condições para o sequestro do sistema límbico. É por isso que realizamos automaticamente  ações que nos dão mais prazer imediatos.

Na quebra de braço entre córtex pré-frontal e sistema límbico somos tendenciosos a atender mais facilmente aos comandos do sistema límbico. A principal explicação para este fato é a irracionalidade do sistema límbico. Acrescido do seu caráter automático e proporcionar uma sensação imediata, embora momentânea, de bem estar.

Portanto, se com frequência você é vagaroso para dar início e finalizar atividades tidas como intrincadas, difíceis e não prazerosas, tanto na vida pessoal como na profissional, você faz parte dos 20% procrastinadores crônicos.
Administração do Tempo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *