Técnicas de Oratória – Saiba Como Valer 4 Vezes Mais no Mercado!

Tempo de leitura: 13 minutos

Vivenciamos hoje uma nova era: A era da Inteligência Relacional, pós Inteligência Emocional – técnicas de oratória criam essa conexão.

Mas como utilizar isso se mal me conheço e ainda não tenho habilidade alguma para me relacionar com as pessoas?

Oratória - A Arte que Vale Ourto!

Vivemos hoje a era da conexão, além de um novo superpoder: o poder da competência comunicativa. Porém a maior parte da população não domina essa arte de construir relacionamentos e comunicar-se de forma mais objetiva, convincente e profissional.

Técnicas de Oratória

Se observarmos, o que mais fazemos na vida é conversarmos. Observe o comportamento da esmagadora maioria das pessoas – falam, falam, falam, mas não sabem ouvir. Como falar?

Imaginem vocês aprenderem essa postura de escutar a cada um em sua essência, essa inclusive, uma necessidade básica do ser humano: ser ouvido em sua essência! Teríamos então a habilidade da “escutatória”.

O palavra da vez é “proatividade”. Agora imaginem só os mais tímidos e introvertidos em situações onde têm que apresentar um projeto, vender uma ideia ou expor uma opinião em uma reunião de negócios? O mundo parece que irá desabar aos seus pés, não?

Pois é, com as Técnicas de Oratória todos esses dilemas e outros mais são abordados e tratados de forma simples, destacando as habilidades individuais e proporcionando aprendizado. E muito ganho às mais diversas categorias profissionais, através de técnicas, vivências em oratória e como perder a timidez.

Inteligência Interpessoal

Atualmente os profissionais mais bem cotados no mercado de trabalho são os que se relacionam melhor em grupo.

Saber relacionar-se com as pessoas que estão a sua volta é uma característica extremamente valorizada – principalmente no mundo dos negócios.

As empresas retêm esses talentos e, de quando em quando, buscam laçar esses profissionais em seus processos seletivos a peso de ouro.

O mercado está cada vez mais competitivo, e as habilidades que cada um tem em seu currículo podem não ser mais suficientes na hora de garantir um bom emprego.

Por isso é preciso saber se comunicar e se relacionar com seus chefes, colegas e possíveis subordinados.

As  Técnicas de Oratória treinam também essa habilidade, além de aprimorar as estratégias de Marketing Pessoal e Profissional, construir vantagens competitivas através do networking e do marketing de relacionamento. 

Mercado de Trabalho

As Técnicas de Oratória vão além da arte de falar em público e de se comunicar de maneira eficaz. Abordam também duas outras artes: a da “escutatória” e ainda tem o poder da “curatória”. Que consta do ato de desconstruir os medos, angústias e traumas que cada um de nós carrega principalmente desde a infância e que perdura até a vida adulta – como perder a timidez.

O cenário econômico atual está passando por momentos muito delicados assim como o contexto profissional. Os profissionais que estão atuando no mercado de trabalho estão tendo que fazer muito mais com bem menos recursos administrativos, humanos e financeiros.

E se diante dessas mudanças ininterruptas, onde os profissionais têm que possuir características como: resiliência, curiosidade, poder de adaptação, criatividade, foco nos resultados, e da noite para o dia recebessem uma promoção e tivessem que comandar uma nova equipe, por exemplo?

Mas, detalhe: esse profissional é demasiadamente introvertido e inseguro. E agora, o que fazer? É imprescindível saber como perder a timidez e aprender a falar bem.

É sabido que apresentar-se em público pode ocorrer em reuniões internas ou em ambientes externos à empresa quando em contato com clientes ou fornecedores.

Apresentar ideias, projetos, propostas às lideranças, diretoria e conselho da empresa. Diante disso, não seria inteligente tentar escapar, correto?

Os introvertidos

  • – “Fui promovido e tenho que apresentar amanhã um novo projeto para meu chefe e demais líderes da empresa”.
  • – “Em reuniões rezo para não ter que expor a minha opinião, pois morro de vergonha. Só de imaginar me dá taquicardia e fico suando frio”.
  • – “Percebo que possuo bons argumentos, porém na hora de me expor me dá branco e não me saio muito bem”.

Você se identificou com alguns desses sintomas ou situações e ainda poderia descrever outros mais?

É meu caro, são sintomas corriqueiros, assim como os seus contextos profissionais.

Os mais tímidos sofrem ainda mais, pois como sua natureza é introspectiva ele não se julga preparado e capaz de enfrentar tais situações, e pensem ainda ter de enfrentar tudo isso?

Mas a melhor notícia é que assim como os extrovertidos, os introvertidos têm dentro de si muito potencial para tornarem-se excelentes oradores devido à bagagem que carregam.

A intenção aqui é fortalecer o orador, passando a ter mais confiança em si mesmo, deixando de ficar muito dependente das reações do auditório (esperando sempre feedbacks positivos do público e se ancorando na aprovação do público).

Por que temos medo de falar em público?

A psicologia descreve o medo como uma reação involuntária causada quando passamos por algum estímulo estressante.

O cérebro libera substâncias químicas que causam reações físicas como palpitação, sudorese, respiração ofegante, dentre outras coisas.

Essas sensações têm por objetivo nos preparar para a luta ou a fuga.

O medo está relacionado ao nosso instinto de sobrevivência e em muitos casos ele age como nosso aliado nos livrando de maus bocados.

Por outro lado, o medo não pode ser paralisador e buscar a fuga quando lidamos com assuntos do cotidiano.

Veremos adiante que um dos maiores medos das pessoas é o medo de falar em público e que como qualquer outra fobia o “tratamento” ideal são as psicoterapias para a extinção de qualquer tipo de receio ou, em outras palavras, deve-se se expor ao medo para que ele se dissipe.

Quando trazemos à tona esse assunto para o mundo da Oratória, ainda podemos acrescentar que a vergonha de se expor em público nos faz recuar em nos apresentar. Principalmente por correr o risco de não agradar, de provocar ironia e risos por parte da plateia. E, como buscamos o tempo todo aprovação, evitamos ao máximo nos expor.

Mas, como aperfeiçoar e lidar com essas dificuldades?

As Técnicas de Oratória realizam um trabalho fascinante de desconstrução desses bloqueios que foram impostos para cada indivíduo durante toda a vida, seja pelos pais, familiares, professores, amigos, ou no próprio ambiente profissional.

Isso sem contar os possíveis casos de bullying, sofridos pelo orador. E só a partir daí é que se incentiva a busca do orador que há em cada um de nós. Características e vivências únicas que possuímos e construímos ao longo de nossas vidas.

Primeiro, é como se limpássemos todo o terreno (limpamos a mente), para depois incluirmos o conteúdo. E cada um de nós possui uma bagagem infinita de acordo com nossas vivências, experiências de vida, trabalho, família, crenças e profissão.

A Oratória é como qualquer outra profissão. Ninguém nasce engenheiro, arquiteto, cabeleireiro, escritor, e sim, as pessoas estudam e tornam-se esses profissionais.

O mesmo ocorre com a Oratória, e claro, com muito, mas muito treino e estudo profundo dos assuntos que serão abordados. Alguns acabam descobrindo um novo dom. O dom da comunicação, do discurso, da palestra ou da retorica.

Quanto mais praticar, melhor orador você se tornará.

Portanto, essa história de que “Eu não consigo falar em público. Isso é para poucos, ele tem o dom, nasceu para isso!” é um tremendo engodo.

Claro, como ocorre em toda profissão, uns acabam se sobressaindo em relação aos outros, não obstante com a oratória, como falar melhor e técnicas para falar em público.

Observe que quanto mais ascendemos profissionalmente, mais necessitamos da retorica, perder a timidez, ter bom dicção.

Quando isso ocorre, torna-se necessário falar para grupos maiores, compostos de pessoas melhor preparadas e informadas, além de tratar de assuntos de maior responsabilidade.

Daí a necessidade de falar bem, perder a timidez – dominar as técnicas de oratória.

E afinal: Como é que são essas tais Técnicas de Oratória? O que se aprende nelas?

Estudos que pedem às pessoas para listar seus maiores medos costumam apontá-lo como o mais temido, superando o medo de altura, de águas profundas – e até da morte.

A essência das Técnicas de Oratória é que o orador deve falar diante da plateia como se estivesse conversando de maneira vibrante com pessoas próximas na sala da sua casa ou em um restaurante com familiares ou amigos. A palestra precisa ser impactante, com boa impostação da voz e com técnicas de apresentação em público.

Não se deve fazer nada diferente do que já sabe e sim, ser você mesmo. Isso é ser natural e espontâneo.

O importante é utilizar o mesmo vocabulário que se usa no dia a dia, por vezes, adaptando e focando no público-alvo do evento.

Falar em público não é teste de memória! Desta forma, é apresentado ao participante como elaborar um roteiro para apresentação, criando um quadro de ideias (espécie de mind map) que facilitará muito o trabalho do orador.

A maioria das pessoas não gosta de ouvir a própria voz gravada, porém o melhor exercício dessas aulas é justamente a análise expositiva registrada em vídeo por cada participante. Onde é possível identificar, corrigir e aperfeiçoar possíveis falhas ou ruídos na comunicação, também conhecidos como cacoetes.

Dicas das Técnicas de Oratória

Muitas técnicas, dicas e truques diferentes são ensinados na maioria dos Cursos de Oratória. Porém é muito importante ressaltar que cada público, ocasião, tema e local requer aparatos personalizados para uma boa captação da atenção da plateia e transmissão da mensagem para o público.

Há com certeza uma lista de técnicas e dicas de oratória que são pontos pacíficos e devem ser ensinados aos participantes, como exemplos:

  • fazer contato visual com o público durante a exposição;
  • ficar apoiado sobre as duas pernas e não deixá-las muito abertas, para não tirar a elegância, ou fechadas demais, para não perder o equilíbrio;
  • recorrer a pausas e utilizar gestos coerentes à fala e que sejam naturais a você.

Por outro lado algumas dicas devem ser passadas com certa cautela de uso, pois devem ser utilizadas em situações muito pontuais e não como uma receita de bolo infalível.

Um exemplo muito comum é a máxima de não utilizar jargões. Em uma apresentação qualquer é lugar-comum evitá-los. Porém imagine uma plateia onde há profissionais do ramo de seguros (feita para corretores, por exemplo), onde utilizar jargões comuns aos participantes soa como algo natural. Mas mesmo assim, o orador deve garantir que os termos técnicos estejam sendo entendidos por todos, garantindo assim um aprendizado uniforme e uma boa comunicação.

Porém se for dito para não utilizar linguajar impróprio como palavrões, por exemplo, esses sim são pontos pacíficos e devem ser evitados. Pois podem baixar o nível do discurso e passar uma mensagem subliminar aos participantes de que pode ser feito o mesmo e para o orador voltar a dominar ou resgatar esse auditório e manter o nível ele terá muito trabalho.

Comunicação Não Verbal (O Corpo Fala)

Muitas pessoas já leram a respeito da pesquisa publicada em 1967 pelo professor Albert Mehrabian que afirma que apenas 7% da eficácia da comunicação decorrem da linguagem, enquanto que 38% dependem do tom de voz e 55% da linguagem corporal.

Se observarmos bem, mais de 50% do que queremos dizer ou transmitir ao público é decorrente do nosso corpo. E aposto que a máxima de que o corpo fala todos já ouviram dizer.

Por esse motivo é que as Técnicas de Oratória apostam no estilo próprio, vencer a timidez, no carisma e na emoção. Pois nesse último caso o tom de voz e a linguagem corporal do palestrante têm enorme valor.

Mas é muito importante ressaltar em não dar apenas importância à linguagem corporal em detrimento à linguagem oral (fala). Pois dessa forma a pesquisa está sendo mal interpretada, pois, apenas para nos divertirmos, peça a alguém para repetir só com gestos o que ela acabara de dizer. Será que é possível?

Pontos de Honra da Comunicação

A experiência no assunto demonstra que planejamento, persuasão, empatia, fala, expressão corporal, recursos audiovisuais, gramática, fluência, concisão e domínio do ouvinte e cenário são pontos vitais para uma excelente apresentação em público.

Concluindo

Diante do exposto, podemos perceber que a oratória é uma arte que está disponível a todos. Basta ter disposição para se transformar. Basta estudar e treinar que são abordadas no treinamento. Para chegarmos ao nível almejado da excelência na comunicação – falar bem em público, devemos agir como os atletas -treinar, treinar e treinar.

Assim como dirigir, onde todo o início é penoso, racional e requer muita prática. Também a arte de falar em público decorre da dedicação e do tempo. Garanto que não haverá nada mais fascinante do que interagir com o público e conseguir transmitir as as ideias, projetos e criações. Fazer com que o público se sinta informado, engajado e comprometido com a mensagem atingindo o nível avançado da oratória que é conseguir persuadir e comover os ouvintes.

Portanto, as Técnicas de Oratória eliminarão o medo que lhe foi incutido durante uma boa parte da sua vida e venha Desenvolver o Orador que há em Você!

técnicas de oratória

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *